20
Mar 11

Começo a achar algum prazer nas idas ao cinema em modo só. Sem mana ou amigos, para manter aquela leve conversa antes do início do filme. Ou para opinar durante o intervalo. Ultimamente tenho ido a grandes salas comigo e só eu. Em análise una e acima de tudo, porque me falta companhia.


Mas fora isso, tenho a dizer que não gosto muito da cultura dita 'tuga' nesta questão. Faz-me um pouco de impressão como é que as pessoas se empanturram de pipocas, em doses quase industriais e com reforço no intervalo. Depois o interminável burburinho dos copos de coca-cola que parecem não ter fim. Na sessão de hoje, de Gnomeu e Julieta até vi uma bela de uma família com um pacote de Madalenas, daquelas de 20 unidades. Fiquei de boca aberta.


Certamente que há esclarecimento possível para isto: a sessão era para crianças, domingo à tarde e com pais à mistura para compor o ramalhete.


Contudo, em muitos outros filmes, de âmbito diferente, assisto a posturas idênticas. Há malta que não aguenta duas horitas sentado, em pura captação de mensagem ou simplesmente a apreciar as estórias e personagens. Nem penso que o fazem de boca aberta, para não me chatear. Pela positiva, já estive em boas salas, público maduro, direito, correcto, que ao mínimo sussurro despacham logo um 'shiuuuu' para equilibrar a concentração. Nem 8 nem 80. Mas por favor, não sejam alarves no cinema.

historiado por vanessaquiterio às 23:51
tags:

Vanessa Quitério
pesquisar