03
Jul 09

Nesta semana experimentei verdadeiramente o sentimento de perda. Sofri por deixar ir um ente querido, por mais irreversíveis que as coisas tenham de ser. Custa sempre. E, nestas circunstâncias, a razão de nada nos vale, já que quem mandam são as emoções.

Na missa fúnebre da minha avó decidi prestar o serviço como acólita e ler a leitura. Tudo bem, algo que já faço com regularidade na minha prática como cristã. Mas, no momento de ler, embargou-se me a voz, encheram-se os meus olhos de lágrimas e paralisei. Sinti-me estúpida pela figura, mas mais por mostrar-me frágil perante uma assembleia cheia de familiares e amigos. Sofro por ter perdido esta avó, a única que tinha ainda perto de mim. Que descanse em paz.

 

Fica a leitura que escolhi para ser lida nesta última homenagem

Livro da Sabedoria, capítulo 4, versículo 7 a 19.

 

Morte prematura do justo e longa vida do ímpio
7*O justo, porém, ainda que morra prematuramente,
gozará de repouso.
8Uma velhice venerável não consiste em longa vida
nem se mede pelo número de anos.
9As cãs do homem são a prudência,
e uma verdadeira velhice é uma vida imaculada.
10Tendo-se tornado agradável a Deus, foi amado por Ele
e, como vivia entre os pecadores, foi transferido por Deus.
11Foi arrebatado a fim de que a malícia não lhe corrompesse a inteligência,
nem a astúcia lhe corrompesse a alma.
12Pois o fascínio do mal obscurece o bem,
e a vertigem da paixão perverte uma mente sem maldade.
13Chegado rapidamente à perfeição,
atingiu a plenitude de uma longa vida.
14A sua vida era agradável ao Senhor,
por isso Ele se apressou em tirá-lo do meio do mal.
As pessoas viram mas não compreenderam
nem reflectiram nisto:
15que a graça e a misericórdia são para os seus eleitos
e que Ele intervirá em favor dos seus santos.
16O justo que morre condena os ímpios que sobrevivem;
e o jovem, que em pouco tempo chega à perfeição,
condena a longa vida do pecador.
17Eles verão o fim do sábio,
mas não compreenderão os desígnios do Senhor sobre ele,
nem por que o Senhor o pôs em segurança.
18*Hão-de vê-lo e desprezá-lo,
mas o Senhor se rirá deles.
19*Depois disto, se converterão num cadáver sem honra,
num objecto de opróbrio
para sempre entre os mortos;
pois o Senhor os precipitará de cabeça para baixo,
sem poderem falar,
os sacudirá nos seus fundamentos,
e ficarão totalmente abalados.
Viverão com amargura
e a sua memória perecerá.

 

historiado por vanessaquiterio às 21:42

Vanessa Quitério
pesquisar