02
Fev 10

Que queres que diga?
Que queres que faça para remendar, suturar um ferida aberta e que ambos sabíamos que dia menos dia ia gangrenar, por coisas assim - para mim, a jovem libertina, multi task - comuns quase ao ponto de dizer banal.

Já tinha confessado que mais dia menos dia ia magoar, ferir ainda mais, com lança dissimulada. Disse que dia menos dia as coisas iam doer, pelo simples facto de amar uma mentira, de amar sem poder e de ser assim , irremediavelmente jovem, insensata por vezes, inconsequente até. Mas que amar de uma maneira inexistente!

Somos uma mentira, até ao dia que algo se quebra. O hoje, não creio.
Mas custa-me saber que voltei a magoar, sem querer e me aperceber...

Não o fiz por gozo, não o fiz por má fé. Não o fiz por não amar e desprezar a pessoa que estava do outro lado. Mais uma vez refiro a intencionalidade, a vontade de amar mais que estas coisas minimalistas, mas monstruosas.

As palavras sempre foram poucas e desnecessárias para sabermos o que fazíamos e fazemos... e depois de saber "isto", quem quer que sejas, sinto me mal.

Não transfiro culpas, não entrego defeitos. Simplesmente nunca assimilei bem estas coisas que despoleto nos outros. Sou má... impotente e não mereço tamanho apreço.

 

historiado por vanessaquiterio às 21:51
tags:

Vanessa Quitério
pesquisar