25
Jun 10

Virgens Suicidas é um filme que prende só pela imagem, cor e pormenor. Virgens moças, na flôr da idade, que tentam libertar-se do jugo controlador de uma mãe antiquada. Os desejos e os medos são os mesmos que de qualquer adolescente. Mas, pergunto-me: Se não for vivida à flôr da pele, de que nos serve passar por este estádio de graça?


A banda sonora, dos magníficos AIR é algo de outra dimensão, uma conjugação perfeita com aquele ambiente 'polaroid' e cortante, que deixa escorrer a amargura de não poder actuar para mudar o decurso dos acontecimentos. Os míudos, os eternos apaixonados das vizinhas 'Lisbon', são aquilo que qualquer um de nós, eternos jovens, vivemos - olhares desejosos, criaturas observadoras das outras vidas, puras e angelicais, das Virgens Suicidas.

 

Este filme será uma marca . . . ainda não sei bem do quê, mas uma marca.

historiado por vanessaquiterio às 23:24
tags:

Vanessa Quitério
pesquisar