26
Ago 11

Por vezes andamos em órbita.. à volta de nós mesmos e dos nossos desejos e expectativas... E no fim, coisas simples como a indiferença, acabam logo com essas rotações e colocam-nos no lugar.


Sim, eu sei que (nada) devemos esperar... mas há pessoas que perdem muito mais em não se fazer notar. São órbitas completamente diferentes as que delineamos para nós. Eu sei. Basta contarmos calmamente até dez!


historiado por vanessaquiterio às 12:53
tags: ,

31
Mai 11

Quem acompanha fielmente este "Historiador do Instante" deve ter reparado que desapareci por uns tempos...


O motivo é simples: ando por outras plataformas e a tentar "dar pai" à gestão de redes sociais, ofício que tenho em mãos por agora, pelo menos até Outubro.

 

Podem sempre espreitar o que ando a fazer através do www.handmadewithacamera.tumblr.com/ e no já habitual twitter...



Abraços

V.

historiado por vanessaquiterio às 11:54
tags: ,

22
Abr 11

 

She is kind and sympathetic, with a strongly compassionate nature. When in love, she is usually very devoted. In fact, she is devoted by nature, not only in matters of the heart.There is an unmistakably compassionate and understanding side to her nature. She has a natural affinity to music. While everyone enjoys music, people with Moon in harmonious aspect to Neptune respond to music as a vehicle to heal, relax, and to uplift the soul.


historiado por vanessaquiterio às 23:53
tags: ,

18
Abr 11

Fear is intense.

Fear is universal.

Fear consumes.

Nobel Peace Prize winners feel it. Artists feel it. Entrepreneurs feel it. Students and activists feel it. You feel it. (We feel it too.)

That doesn’t mean we have to live with it.

 

fear.less is a movement borne from our right to live without fear. It’s where human potential meets the courage to act.

Every story you read is an example of conquering fear, whether an immediate physical danger, the looming threat of failure, the pressure to compete in a changing world, the incessant quest for identity, or the overwhelming uncertainty of death.

These people embrace their circumstances with resolve and courage. They didn’t (and don’t) run away.

They represent the best of the human spirit and reveal an inner strength we all possess, though we may not know it.

fear.less is more than a magazine – it is our toolbox for fighting fear.

fear.less is about who we become by facing our deepest fears.


Dica do Nuno.

historiado por vanessaquiterio às 14:47
tags: ,

24
Fev 11

Uma música:

 

 
Jeff Buckley & Elizabeth Fraser - All Flowers In Time Bend Towards The Sun


Um texto


O Amor está no Desemprego


"De tal modo, que progressivamente o amor se transformou num trabalhador intermitente que nunca sabe se tem ou não trabalho, embora toda a gente diga que o amor dá."
http://bit.ly/g3eAWi

 

 

historiado por vanessaquiterio às 14:52
tags: ,

20
Fev 11

 

I fail at human relationships, but at least I listen to good music


*original daqui



historiado por vanessaquiterio às 22:55
tags:

17
Fev 11

Através da leitura dos feeds do dia cheguei a esta pequena pérola, em forma de crónica, e que quase passa despercebida em tanta página de jornal ou leitura (mesmo que na diagonal) do diário nacional Público. Artigo do dia 5 de Fevereiro, salvo erro.



Miguel Esteves Cardoso é um hábil observador do tempo. Do que nos rodeia. Deve ser por ter aqueles grandes óculos. :D


Sabe pegar nas feridas e torna-las coisas mais aceitáveis e visíveis. Denuncia coisas que todos pensamos mas que ficam entaladas na garganta na hora dita 'h'. E mais que isso, é sensível e humanamente Pessoa, no historiar constante daquilo que se passa no país e no mundo. À beira da sua janela e na janela do vizinho.


Esta pequena crónica sobre os Amigos deixou-me sem palavras. Pelo belo do simples abordar da questão e na verdade que transporta. Eu adoro os meus amigos, sinto muito a sua falta e martirizo-me por estar menos presente, cada vez mais, no que toca no 'em carne e osso'. Os tempos modernos ocupam-nos com muitos afazeres, o tempo do amigo quase que se resume ao 'café do meio-dia' ou de raspão ao fim da noite.


Mas como é dito no texto, o tempo não passa pela amizade, a amizade é que passa pelo tempo. Perdura, se for caso para isso e se fizermos por isso. É o ciclo natural das coisas.


A vocês, meus amigos, um enorme beijo de saudades.

historiado por vanessaquiterio às 21:30
tags:

24
Jan 11
Disseste-me assim
De frente
Cruamente
Que não me amas mais
Foges de mim
Talvez para sempre
Mas… onde vais?
Não te posso mais amar?
Beijar?
Abraçar?
Apertar-te no meu peito?
E agora?
Que faço a este coração desfeito
E sem jeito
De o poder consertar?
Ocorre-me a vingança
O ódio,
A ira
Denegrir o teu nome, pela vizinhança
Mas como? Se sou uma criança!
Se ainda me resta
Neste coração que não presta
Uma ténue esperança
Do teu retorno à nossa paixão.
Será minha a iniciativa
De te conceder o perdão
Como sempre, e para ti,
Jamais me sairá um não
Tu tens o poder,
Como se diz… o condão
De manter bem viva
Esta chama que me alimenta
O sentimento que me alenta
Um amor que anseio ter pela frente,
Ainda que pungente
Prefiro adorar-te, qual diva
Incaracterística, exclusiva
Que aviva
a minha pobre mente!

José Eduardo

[Não sei explicar como isto aconteceu, mas é das poucas primeiras vezes que leio algo que parece ter saído da minha cabeça. Que transmite o que sinto e senti. Que representa estados de espíritos e sentimentos que ainda magoam. José Eduardo, acho que lês mentes, por muito distantes que sejam. Tens a sensibilidade que muitos não têm: És poeta que vê e não somente olha. Obrigada.]
historiado por vanessaquiterio às 17:13
tags: ,

31
Dez 10

 


Não fujo muito ao que costumamos ouvir por estes dias, num "Novo Ano, Vida Nova", "Bom Ano Novo" ou "Boas Entradas". Para mim, passagem de ano resume-se a uns meros segundos, meras badaladas que separam 365 dias, esses sim, vividos de forma intensa, cansativa, alegre, demorada e intencional. Os novos dias, a estrear, são imaturos nas primeiras horas, porque são encarados com o vigor de algo que se estreia e se quer muito que resulte. Por isso, para mim, um novo ano não passa mais do que a intenção de o ser, novo, pronto para reformulações, decisões, em tentativas sucessivas de se melhorar em relação aos anos transactos.


Em 2011 espero simplesmente que resulte, que seja sempre melhor que 2010, mais alegre, com mais vivacidade, sem menos erros. O resto, vai acontecendo naturalmente. E assim é que tem de ser.

 

Novo ano, moleskine nova.

A todos um bom 2011!
Vanessa



historiado por vanessaquiterio às 16:44
tags:

26
Dez 10

A cinco dias de terminar o ano de 2010, começa na minha cabeça - e nas demais cabeças de qualquer comum dos mortais - a catadupa de balanços e avaliações ao que fiz, ao que não fiz e deixei de fazer.


Ainda não sei que avaliação dar aos últimos doze meses, aos 360 dias passados nesta pele e nestes vinte e dois anos de gente de metro e meio. Ainda não sei, numa escala de zero a cinco, como quantificar este ano terminal.


Altos e baixos, coisas boas, maravilhosas, desastrosas e tristes marcaram as minhas decisões e caminhos, viagens e sonhos. Vou pensar sobre o assunto e tentar analisar a frio tudo o que se passou. Decerto que é sempre positivo porque a vida faz-se de experiências, de vivências e acima de tudo, de vida. Bem haja!

historiado por vanessaquiterio às 20:39
tags:

subscrever feeds
Vanessa Quitério
pesquisar